O Arrependimento

“Um dos trabalhos iniciais, e ao mesmo tempo um dos mais importantes, na via rosacruciana é o Arrependimento. Para Boehme, arrepender-se é o fundamento para se livrar das três correntes que nos prendem à matéria e nos privam dos caminhos mais sutis do Espírito. Uma das bases para este trabalho certamente é a Humildade, virtude esta que jaz até mesmo na essência da palavra que nos nomeia. Adam… Homem, Humano, Humanidade, Humildade… Húmus… Humildade esta vista na letra pai, Yod, que mesmo sendo a letra que inicia a criação torna-se uma letra simples. Humildade vista em Kether, que, através do Pão da Vergonha, mesmo uma parte estando conectada ao Imanifesto, não olha para ele, mas olha pelos que estão no Manifestado nele e abaixo dele. Humildade vista também no trabalho místico, pois aquele que se acha auto-suficiente não pode avançar na senda espiritual. Mesmo a substância mais simplória pode se tornar ouro, assim o chumbo da ignorância pode se transmitir em ouro da sabedoria. Para tanto, é necessário ser humilde, reconhecer as falhas, conscientizar-se da própria condição e, através disto, como diria Boehme, arrepender-se. Aí sim poder-se-á partir para o processo da Reconciliação. Como já dizia o Oráculo de Delfos, na Grécia Antiga: ‘Ó homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo’.”