O Mago, o Isolamento e as Amizades

“O mago deve viver no retiro e deixar dificilmente que se aproximem dele. É o que representa o símbolo da nona chave do Tarô, em que o iniciado é figurado por um eremita inteiramente envolto em seu manto. Todavia, este retiro não deve ser o isolamento. Ele precisa de amizades; mas deve escolhê-las com cuidado e conservá-las a todo preço”. (Eliphas Levi)

Os que nasceram do Espírito

“O vento sopra onde quer e ouves o seu ruído, mas não sabes de onde vem nem para onde vai – assim acontece com todo aquele que nasceu do Espírito”. (Evangelho de São João)

Cagliostro

“Eu não sou de época alguma nem de lugar algum. Fora do tempo e do espaço, o meu Ser Espiritual vive a sua eterna existência, e, se mergulho no meu pensamento remontando o curso das idades, se estendo o meu espírito para um modo de existência afastado daquele que percebeis, tornei-me aquele que desejo. Participando conscientemente do Ser Absoluto, regulo a minha ação conforme o meio que me rodeia. O meu nome é o da minha função, e o escolho, assim como à minha função, porque sou livre; o meu país é aquele onde fixo momentaneamente meus passos. Datai-vos de ontem, se o quiserdes, realçando-vos com anos vividos por ancestrais que vos foram estranhos, ou de amanhã pelo orgulho de uma grandeza que não será, quiçá, nunca vossa. Eu sou, aquele que foi, que é, e que sempre será… Todos os homens são os meus irmãos; Todos os países são me caros… Como o vento Sul, como a brilhante luz do meio-dia que caracteriza o pleno conhecimento das coisas, e a comunhão ativa com Deus, venho do Norte, para a bruma e o frio, abandonando por onde quer que passe algumas parcelas de mim mesmo, gastando-me, diminuindo-me em cada demora, mas deixando-vos um pouco de caridade, um pouco de calor, um pouco de força, até que eu esteja finalmente detido e fixado definitivamente ao termo da minha jornada, à hora em que a Rosa florescer sobre a Cruz.” (Cagliostro)

A Natureza é a Medicina

A medicina se fundamenta na natureza, a natureza é a medicina, e somente naquela devem os homens buscá-la. A natureza é o mestre do médico, já que ela é mais antiga do que ele e ela existe dentro e fora do homem. (Paracelso)

A Mãe do Mundo



A Mãe do Mundo, pintura a óleo de Nicholas Roerich.

Os Símbolos e a Ciência Hermética

“O Iniciado sabe como atingir o saber, isto é, sabe pedir, procurar a resposta e por em ação os meios apropriados para chegar a ela. Assim, a Filosofia Hermética não ensina o que é necessário crer a respeito de Deus, do homem e da natureza, mas ensina como pedir, buscar e bater para se chegar à experiência mística, às luzes gnósticas e ao efeito mágico daquilo que se procura saber sobre Deus, o homem e a natureza. A Filosofia Hermética não é composta da Cabala, da Astrologia, da Magia e da Alquimia. Esses quatro ramos nasceram do tronco e vivem dele, mas não o constituem. O tronco é a unidade manifestada da Mística, da Gnose e da Magia Sagrada. Sobre ele não existem teorias, mas experiências, inclusive a experiência intelectual dos arcanos e dos símbolos. A experiência mística é a sua raiz, a experiência gnóstica da revelação a sua seiva e a experiência prática da Magia Sagrada a sua madeira. Por isso o seu ensinamento – ou o “corpo” da tradição – consiste em exercícios espirituais e todos os seus arcanos são exercícios espirituais práticos cujo fim é despertar camadas cada vez mais profundas da consciência. As ciências ocultas são, pois, derivadas da Filosofia Hermética pela via da intelectualização. Por isso não se deveria considerar os símbolos como expressões alegóricas das teorias ou dos conceitos dessas ciências. Porque a verdade é o contrário: as doutrinas das ciências ocultas é que são derivadas dos símbolos e devem ser consideradas como expressões intelectualmente “alegóricas” dos símbolos do Esoterismo Hermético.” (V. Tomberg)

Sobre o coração do homem

“O fundo do coração fica mais longe do que o fim do mundo”
(Provérbio chinês)

“O anjo é a sabedoria, o coração do homem é o amor; o anjo é o recipiente da Luz Divina, o coração do homem é o órgão e o modificador dela. Um não consegue existir sem o outro, e eles só conseguem ficar unidos em nome do Senhor, que é, por sua vez, o Amor e a Sabedoria, e que por isso os liga em sua Unidade.”
(LCSM)

Programa Histórias Curtas com Emma Costet de Mascheville

Muitos de nós conhecemos e admiramos os esforços dos mestres Cedaior (Albert Raymond Costet, Conde de Mascheville) e Sevananda ( Jehel / Leo Alvarez Costet de Mascheville) em prol da divulgação da Tradição na América do Sul e particularmente no Brasil. Poucos conhecem, contudo, o relevante trabalho da esposa de Cedaior e mãe de Sevanada, Emma Costet de Mascheville, carinhosamente conhecida como Dona Emy.

Pioneira no ensino da astrologia em terra brasilis, Dona Emy sempre ocupará um lugar de destaque entre os astrólogos da escola dita humanista. O vídeo abaixo, em duas partes, é um tesouro em matéria de registro histórico e jornalístico da vida dessa grande iniciada.

Descrição presente no vídeo: A vida de Emma Costet de Mascheville, esposa de Albert Raymond Costet de Mascheville, Mestre CEDAIOR, 1º Patriarca da Igreja Expectante, Delegado Geral da Ordem Martinista para a América do Sul, Discípulo de Papus e do Mestre Philippe de Lyon, autor do Livro das Leis de Vayu. Parte 2 do documentário “Luz e Sombra no Paralelo 30”, exibido pela RBS TV Porto Alegre em 21/11/2009, no programa “Histórias Curtas”.

Parte 1

Parte 2

Filhos da Sabedoria

Sente dentro de você a aspiração heroica que é a característica infalível dos Filhos da Sabedoria? Ousas servir a Deus isoladamente e procurar dominar tudo aquilo que não seja Sua Criação? Entender o que significa um Ser humano? Não te aborrece a tua atual condição de escravo, quando nascestes para ser um Soberano? (Gabalis)

No túmulo de Christian Rosenkreutz

Texto de Fernando Pessoa

I

Quando, despertos deste sono, a vida,
Soubermos o que somos, e o que foi
Essa queda até corpo, essa descida
Ate á noite que nos a Alma obstrui,

Conheceremos pois toda a escondida
Verdade do que é tudo que há ou flui?
Não: nem na Alma livre é conhecida…
Nem Deus, que nos criou, em Si a inclui

Deus é o Homem de outro Deus maior:
Adam Supremo, também teve Queda;
Também, como foi nosso Criador,

Foi criado, e a Verdade lhe morreu…
De Além o Abismo, Sprito Seu, Lha veda;
Aquém não há no Mundo, Corpo Seu.

II

Mas antes era o Verbo, aqui perdido
Quando a Infinita Luz, já apagada,
Do Caos, chão do Ser, foi levantada
Em Sombra, e o Verbo ausente escurecido.

Mas se a Alma sente a sua forma errada,
Em si que é Sombra, vê enfim luzido
O Verbo deste Mundo, humano e ungido,
Rosa Perfeita, em Deus crucificada.

Então, senhores do limiar dos Céus,
Podemos ir buscar além de Deus
O Segredo do Mestre e o Bem profundo;

Não só de aqui, mas já de nós, despertos,
No sangue actual de Cristo enfim libertos
Do a Deus que morre a geração do Mundo.

III

Ah, mas aqui, onde irreais erramos,
Dormimos o que somos, e a verdade,
Inda que enfim em sonhos a vejamos,
Vemo-la, porque em sonho, em falsidade.

Sombras buscando corpos, se os achamos
Como sentir a sua realidade?
Com mãos de sombra, Sombras, que tocamos?
Nosso toque é ausência e vacuidade.

Quem desta Alma fechada nos liberta?
Sem ver, ouvimos para além da sala
De ser: mas como, aqui, a porta aberta?
…………………………………

Calmo na falsa morte a nós exposto,
O Livro ocluso contra o peito posto,
Nosso Pai Rosaecruz conhece e cala.